4 de novembro de 2014
Alerta de post enorme!


Quando eu deixei o Brasil achei que aqui seria tudo muito fácil em relação a comunicação. Que pelo menos teria WiFi ou sinal, assim poderia continuar postando no blog com frequência. Essa foi minha primeira decepção então me desculpem esses dois meses longe do blog e das palavras erradas por conta do teclado em inglês. Não tenho WiFi e nem muito sinal no celular, estou tendo que mudar meu horário e ter que ficar depois da aula na escola para poder escrever um pouco, editar as fotos apenas pelo celular. Ta difícil mas aos poucos vou me adaptando para não deixar o blog morrer sem ao menos ter começado.

Hoje vou contar para vocês como foi a minha viagem para cá…

No dia 30 de Agosto eu acordei normal, um dia como qualquer outro. Achei que ficaria sem dormir e passaria mal por conta da ansiedade mas foi tudo muito calmo. Dormi feito um anjo e acordei melhor ainda! Deve ter sido pela correria dos dias anteriores com a documentação e arrumação de mala.

Aproveitei o dia para ficar agarrada com meus pais, almoçamos juntos e ficamos colados o dia todo ate a hora de ir para o aeroporto. As 18 hrs estávamos no Aeroporto de Guarulhos. Encontrei meu amigo Matheus e minha amiga Duda, fizemos o check in juntos e despachamos as malas. A correria começou quando me disseram “Logo que você sair daqui, vai correndo para a imigração e já embarca porque esta lotado e você não pode perder seu voo!”. O choro começou… Ter que se despedir de quem você ama em cinco minutos e a pior sensação da vida, ter que deixar minha família doeu muito apesar de saber que eu estava vindo porque eles me deram essa oportunidade de realizar um sonho.










Chorei, abracei, embarquei. Foi nessa sequencia que depois de dez minutos estava eu do outro lado de uma parede de vidro indo em direcao ao guinche do meu aviao. A sorte foi estar com outros intercambistas, nos distraimos fazendo brincadeiras e conversando o tempo todo. Alem de olhar o maximo de lojas no Duty Free pareciamos patetas dentro do aeroporto, pude conversar com algumas aeromocas que foram super gentis e me motivaram a seguir esta carreira. Encontramos mais intercambistas e no final estavamos em um grupo de cinco pessoas ou mais, tinha gente indo para todo o canto do mundo fazer intercambio.





Embarquei e senti muito medo quando o avião decolou, já que desta vez estava sozinha pois tentei sentar com meus amigos mas ninguém ao lado quis trocar mas no final sobrevivi apesar de ter algumas turbulências e uma linda menina de uns três anos que não parava de chorar no assento da frente. Consegui dar uma descansada quando as luzes se apagaram e comer um pouco desse projeto de carne. O dia amanheceu e eu nem percebi, tentei dar uma volta pelo avião para esticar as pernas. Serviram o cafe da manha e pela primeira vez paguei mico com o inglês já que estava tentando me comunicar com os comissários que não falavam em português e não conseguiam entender minhas mimicas.




Quando chegamos fomos conhecer o aeroporto e procurar algum lugar para passar cerca de dez horas esperando nossos próximos voos. Comemos nosso primeiro café da manha americano com direito a panquecas e chocolate quente, foi ai que minha paixão por panquecas nasceu. Comprei o carregador mais caro da minha vida (17 dólares!!!!) e aproveitei para tirar  algumas fotos do aeroporto que e lindo! Conhecemos algumas lojas como Sanrio e Victoria's Secret alem de andarmos nesse trem que tem dentro do aeroporto, também tivemos a experiencia de ficarmos perdidos e já notar as primeiras diferenças entre Brasil e EUA.












Depois de dez horas fomos cada um para seu próximo guinche e a partir dessa hora tive que andar sozinha e seguir meu caminho. Peguei um avião minusculo rumo a Kalamazoo, viagem de aproximadamente trinta minutos, e a coisa mais engraçada foi que a mulher que estava sentada na janela do meu primeiro voo estava neste também e foi bastante coincidência nos encontrarmos la. Quando sai do avião e peguei minhas malas eu estava tremendo tanto que pensei que iria passar mal e ter que ir pro hospital no primeiro dia mas ainda bem isso não aconteceu. Desci para o hall principal e não encontrei ninguém. Ai bateu o desespero de terem me enganado e eu ter que voltar para o Brasil já estava quase chorando quando eu avistei a Bonnie e o John descendo as escadas, esperei eles se aproximaram e falei "oi" e já abracei porque foi minha primeira reação hahaha. Eles ficaram chocados mas no final me abracaram também! Dali fomos para a casa da filha mais nova deles e o resto conto para vocês no próximo post...




1 comentários • por Beatriz Ferreira •







sobre


Beatriz, 16, Leonina, Paulistana e Intercambista. Mais?

Facebook Flickr Tumblr WeHeartIt Image Map

pesquise



categorias

instagram

arquivos

info
Voyageur - 2014 ©

Todas as postagens aqui contidas são de autoria de Beatriz Ferreira, exceto quando apontado o contrário. As imagens utilizadas são fruto de reproduções, e se você teve seu conteúdo publicado aqui e deseja que seja retirado, entre em contato em e-mail.





Design e codificação por Júlia Duarte. From scratch, with ♥ Powered by Blogger.